terça-feira, 23 de outubro de 2012

Ótima reflexão sobre propriedade no facebook

Ctrl + C de: http://comunicadores.info/2012/10/23/voce-tem-uma-pagina-no-facebook-nao-e-o-mark-quem-tem/
___

Você tem uma página no Facebook? Não, é o Mark quem tem


Você sabia que quando entra no Facebook, está automaticamente concordando com os termos e regras da rede social, certo? Você sabia, também, que ao criar uma página na ferramenta, também concorda automaticamente com os “Termos de páginas do Facebook”, certo?

Se não sabia, principalmente no segundo caso, é bom correr para ler esses termos. A razão é simples: desde sempre o Facebook tem autorização para deletar sua página (sem aviso prévio) caso você descumpra algum desses termos, mas é nas últimas semanas que eles, de fato, estão tomando essa medida drástica.

Em práticas que você julga comum, como um publieditorial, um concurso, ou um simples pedido de likes ou share, você pode estar descumprindo as regras e colocando sua página em risco. Então é recomendável que você leia, leia de novo e leia mais uma vez os termos, para não ter que lidar com um decepcionante aviso de “página não encontrada” amanhã ou depois.

Mas, mais do que o perigo de perder sua página, esse momento traz uma discussão maior à tona: é hora de prestar atenção em quem, realmente, manda aqui.

O Facebook é visto pelas marcas e pelos geradores de conteúdo como uma oportunidade incrível, há quem ache tratar-se de um novo momento da web. Afinal, posso ter minha fanpage, criar meu conteúdo, divulgar minha produção, discutir com leitores… tudo isso sem sair da rede social. Para que ter um blog ou um portal, se o Facebook oferece tudo isso?

Claro que há muitas portas abertas pelo site do Marck, mas há pontos há serem discutidos. O que muitos não percebem é que nada daquilo, de fato, pertence a você.

Poxa, que legal, sua fanpage tem um milhão de likes – mas você já percebeu que ela não é sua?

Poxa, você tem cem mil subscribers, mas repare que seu perfil também não é seu.

O grande engano é acharmos que o Facebook é uma plataforma e que nós somos os publishers, enquanto, na verdade, o Facebook é o grande publisher de tudo que é divulgado ali e nós somos meros colaboradores. O conteúdo ainda é seu, mas eles podem usar como bem entenderem.

E nada mais decepcionante que não ter liberdade sobre sua produção. Depois de trabalhar, produzir e juntar seus milhares de leitores na sua página, você tem que seguir regras (super restritas, diga-se de passagem) para não perder tudo de um dia para o outro: não pode monetizar seu conteúdo, tem restrições para direcioná-los para seu site, não pode fazer concursos para viralizar sua página…

Sabe aquela preguiça que todo mundo tem de ler as letras miúdas? Agora é hora de deixar de tê-la. É inegável o valor do Facebook para a comunicação e interação com leitores, clientes ou usuários – mas é sempre bom deixar o deslumbre de lado por um tempo e, pensando racionalmente, planejar o melhor uso a ser feito da ferramenta. Afinal, grandes decepções, muitas vezes, são fruto de mau planejamento.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Dicionário do E-Commerce

A Sopa de Letrinhas do E-commerce




É comum falarmos em qualquer ambiente sobre comércio eletrônico, mas muita gente que está começando muitas vezes não entende alguns termos que já estão cunhados neste meio. Desses termos existem alguns que são fundamentais para o entendimento e auxiliar no momento de executar as escolhas certas.

Plataforma – É ambiente onde a loja virtual será executada. Cada plataforma contém características únicas e comuns ao mercado virtual. Existem vários tipos: “Código Aberto”, “Aluguel” e “Próprias”.

Gateway Pagamento – Esse é o canal que será utilizado para realizar as transações financeiras (recebimento de pagamentos) da loja virtual.

Back Office – São todas as rotinas e processos administrativos da loja virtual. Normalmente as plataformas já constam com esse módulo acoplado na loja virtual, para que seja possível o acompanhamento dos pedidos e a administração de produtos, promoções, etc.

ERP – É a ferramenta de gestão empresarial. Será através dessa que a empresa gerenciará fluxos de caixas, emissão de nota fiscal, controle de estoque, controle de depósitos. Para facilitar a troca de informações é essencial que esteja integrado ao Back Office da loja virtual.

Data Center / Host – Local onde ficará armazenada a loja virtual para que seja possível qualquer pessoa da internet acessar. Uma das características mais importante é garantia de estabilidade e disponibilidade da loja.

Test A/B – São testes comparativos entre duas versões (condições) e sendo eleita há mais eficiente conforme os critérios definidos.

SSL / HTTPS – São certificados e protocolos que oferecem a usuário de internet uma garantia que os dados transferidos entre o computador e loja estão seguros.

ROI – É retorno sobre o investimento, normalmente é utilizado para medir a eficiência de campanha de propagadas na internet (Google Adwords).

Chargeback – É a fraude na utilização de cartões de crédito nas compras online, esses lançamentos são cancelados e o lojista fica sem o direito de receber os valores.

Ticket Médio – Esse é o valor médio das vendas por usuário. É a soma de todas as vendas realizadas dentro de um período e divida pelo número de pedidos realizados.

SEO / SEM – São métodos para garantir a otimização da loja virtual e seus produtos para ser encontrados e destacados pelos motores de buscas (Google, Bing, etc).

UpSell – Componente da loja virtual que oferece produtos com mais vantagens em relação ao produto exibido, elevando assim o ticket médio.

CrossSell – Componente para realizar a venda casada de produtos com oferecimentos de alguma vantagem para o cliente.

CheckOut – Processo pelo qual o cliente irá realizar a concretização da venda online. Pode ser tanto uma única tela como vários passos até a efetiva finalização.

Email Marketing – Comunicar os clientes através e-mail direito sobre promoções, condições especiais. Porém é importante que essa interação permita o “Opt-In/Opt-Out” que nada mais é o cadastramento e descadastramento do recebimento do e-mail.

Google Analytics – Ferramenta para analise e estudo do comportamento dos usuários sobre todas as páginas da loja virtual. É possível a visualização de produtos mais vistos, referências de outros sites, taxas de conversão de vendas.

Google Adwords – Ferramenta para criação de anúncios que serão exibidos totalmente realizados a busca realizadas através do Google. Esses anúncios serão destacados do resultado simples.

_____

Ctrl + c De: http://www.artigosecommerce.com.br/a-sopa-de-letrinhas-do-e-commerce/

Desenhar fluxogramas

Pessoal, segue dica de uma ferramenta on-line, simples e fácil para desenhar fluxogramas e diagramas para seu projeto: https://demo.bpmn.i...