quinta-feira, 12 de novembro de 2009

VisaNet vira Cielo e entra na era da concorrência


------------------------------------------------------

SÃO PAULO (Reuters) - Antecipando-se a mudanças regulatórias do governo para ampliar a concorrência no setor de cartões, a VisaNet anunciou nesta terça-feira que passará a se chamar Cielo, em meio à campanha para fazer-se conhecida como empresa multibandeiras.

"Quando o mercado passa por mudanças, temos que refazer as estratégias", disse o presidente da companhia, Rômulo de Mello Dias, a jornalistas.

O contrato de exclusividade para lojistas receberem cartões Visa, que dura desde o início das operações da companhia, há 13 anos, e que a ajudou a firmar-se na liderança do setor no país, vence em julho de 2010.

Visualizando um mercado com mais competidores --Redecard, hoje única credenciadora dos cartões MasterCard, e VisaNet detêm mais de 90 por cento do setor--, a empresa já se prepara para um cenário em que o fator decisivo de sobrevivência será a combinação de preço e serviços.

Nesse aspecto, a mudança de nome é parte da estratégia de desvincular-se da inevitável associação à marca Visa, uma vez que a credenciadora já se prepara para trabalhar com outras marcas.

Além de operar com 89 diferentes cartões de redes de varejo (private label), a companhia já opera com a marca American Express e pode nos próximos meses fazer o mesmo com a bandeira Dinners. De acordo com Dias, as tratativas com a MasterCard ainda não começaram.

"Ficaria inapropriado continuar usando o nome VisaNet", apontou Dias.

Em paralelo, a agora Cielo deve lançar em breve programas visando a fidelizar lojistas. Um deles, batizado de plataforma promocional, permitirá parcerias para oferecer prêmios e descontos a consumidores. O projeto entra em vigor gradualmente a partir de 2010.

"Temos que falar a linguagem do comércio", disse Eduardo Chedid, diretor de soluções em negócios da companhia.

Embora evite falar a respeito, a Cielo admite que terá de enfrentar a principal fonte de reclamações dos lojistas, o preço de uso dos terminais (POS).

De acordo com Dias, a taxa média cobrada dos lojistas gira em torno de 2,5 por cento do valor das compras pagas com cartões. Segundo ele, esse índice é pouco superior à taxa praticada nos Estados Unidos, de 1,9 por cento.

"Pode ser (que tenha de reduzir os preços). Tem de ver como o mercado vai se comportar", disse Dias. "Mas não é só preço, tem de ter soluções para os lojistas", acrescentou.

A campanha, que começa neste final de semana nas mídias impressa e eletrônica, contará futuramente com o campeão olímpico César Cielo como garoto-propaganda.

(Reportagem de Aluísio Alves)

Fonte: Reuters
------------------------------------------------
[Arthur Bonora] Comentário -
Enfim a concorrência chega as empresas que credenciam lojistas para receberem com cartões de crédito, imagine como será bom para todo o mercado, com o contrato com uma única empresa poderemos receber todas as bandeiras de cartão de crédito e, podendo trocar de empresa caso encontremos negociações melhores.
Bom, espero para ver essa concorrência funcionando logo e tanto a Cielo credenciando MasterCard quanto a Redecard credenciando a Visa.
Postar um comentário